Quem alisa, amigo é...

Eu já tive um gato.
Contei isso na terceira ou quarta sessão com meu analista, antes de devorá-lo com aspargos e sementes de gergelim.
Quem? O analista? Não, é claro - e isso não é racismo -, eu apenas como analistas de Bagé - e isso é preconceito.
Eu comi foi o gato, com aspargos e sementes de mostarda, mas isso é outra história.
E por falar em outra história, minha história com gatos não termina onde começa, muito pelo contrário - e isso é trocadilho!
Na sexta-feira passada, muito mal passada, por sinal, avancei apressado sobre o semáforo com aquela enorme luz vermelha a vociferar: PARE SEU FIU DUMA RAPARIGA!!
Mas eu não parei, aliás, parei sim, mas foi para discutir com semáforo desaforado que me disse palavras de baixo calão e alto valor energético.

Peraí, eu já contei para vocês que eu já tive um gato?

Eu já tive um gato.
Contei isso na terceira ou quarta sessão com meu analista, antes de devorá-lo com aspargos e sementes de gergelim.
Quem? O analista? Não, é claro - e isso não é racismo -, eu apenas como analistas de Bagé - e isso é preconceito.
Eu comi foi o gato, com aspargos e sementes de mostarda, mas isso é outra história.
E por falar em outra história, minha história com gatos não termina onde começa, muito pelo contrário - e isso é trocadilho!
Na sexta-feira passada, muito mal passada, por sinal, avancei apressado sobre o semáforo com aquela enorme luz vermelha a vociferar: PARE SEU FIU DUMA RAPARIGA!!
Mas eu não parei, aliás, parei sim, mas foi para discutir com semáforo desaforado que me disse palavras de baixo calão e alto valor energético.

Peraí, eu já contei para vocês que eu já tive um gato?